Informations et ressources scientifiques
sur le développement des zones arides et semi-arides

Accueil du site → Doctorat → Brésil → Etnobotânica dos índio Fulni-ô (Pernambuco, Nordeste do Brasil)

Universidade Federal de Pernambuco (2003)

Etnobotânica dos índio Fulni-ô (Pernambuco, Nordeste do Brasil)

Silva Valdeline Atanázio da

Titre : Etnobotânica dos índio Fulni-ô (Pernambuco, Nordeste do Brasil)

Auteur : Valdeline Atanázio da Silva

Université de soutenance : Universidade Federal de Pernambuco

Grade : Doutorado 2003

Résumé
Este estudo sobre os índios Fulni-ô (Águas Belas PE), dá continuidade às pesquisas etnobotânicas iniciadas em Pernambuco com os índios Xucuru. Os objetivos desta análise foram : aprimorar o Índice de Significado Cultural (ISC) na análise da importância das espécies vegetais ; definir a importância das espécies para os Fulni-ô empregando o ISC e o valor de uso (VU) ; definir os padrões de conhecimento sobre o uso de recursos vegetais ; caracterizar o papel das espécies nativas e exóticas na farmacopéia Fulni-ô. A pesquisa foi realizada através de entrevistas semi-estruturadas com 84 informantes (23 homens e 61 mulheres) nos anos de 2001 a 2003. Na análise da nova proposta de ISC foram modificados os valores das variáveis e agregado um fator de correção (consenso do informante). Os valores de ISC apresentados variaram de 0,02 a 85,2 destacando-se Syagrus coronata (Mart.) Becc., importante planta para a prática do artesanato Fulni-ô. O estudo dos padrões de conhecimento, através de análise multivariada, indicou não haver padronização no saber Fulni-ô, sendo o mesmo o resultado da junção das competências individuais. Quanto ao uso de recursos medicinais dentre as 91 espécies citadas 40 eram nativas e 51 exóticas e ruderais, todas bem adaptadas à sua cultura. As seguintes espécies destacam-se quanto à sua importância relativa : Myracrodruon urundeuva (Engl.) Fr. Allemão (2), Hyptis mutabilis Briq. (1,29), Amburana cearensis (Arr. Câm.) A. C. Smith (1,25), Croton rhaminifolius Kunth (1,24), Mentha sp. (1,13), Sideroxylon obtusifolium (Roem. & Schult.) T. D. Penn. (1,13), Anacardium occidentale L. (1,07), Lippia alba (Mill.) Brown (1,07) e Lippia sp. (1,02). A caatinga é fonte de diferentes recursos para os índios Fulni-ô, da qual obtém espécies utilizadas principalmente na produção artesanal e no preparo de seus remédios. Quanto ao ISC as espécies de maior significado cultural para este grupo são em sua maioria nativas, em geral de porte arbóreo e de uso medicinal para diferentes sistemas de saúde, excetuando-se Syagrus coronata (Mart.) Becc. Os elevados ISC de Syagrus coronata (Mart.) Becc., Myracroduon urundeuva (Engl.) Fr. All., Lippia sp., Amburana cearensis (Arr. Câm.) A. C. Smith., Aspidosperma pyrifolium Mart., Syderoxylon obtusifolium (Roem. & Schult.) T. D. Penn., Maytenus rigida Mart., Hyptis mutabilis Briq. e Ziziphus joazeiro Mart. revelam a importância das espécies da caatinga na sobrevivência cultural e biológica dos Fulni-ô

Présentation

Version intégrale (1,60 Mb)

Page publiée le 4 avril 2010, mise à jour le 11 juillet 2017