Informations et ressources scientifiques
sur le développement des zones arides et semi-arides

Accueil du site → Doctorat → Brésil → Avaliação de clones de palma forrageira (Opuntia e Nopalea) sob irrigação e salinidade

Universidade Federal Rural de Pernambuco (2012)

Avaliação de clones de palma forrageira (Opuntia e Nopalea) sob irrigação e salinidade

Lira Freire Joelma de

Titre : Avaliação de clones de palma forrageira (Opuntia e Nopalea) sob irrigação e salinidade

Auteur : Lira Freire Joelma de

Université de soutenance : Universidade Federal Rural de Pernambuco

Grade : Doctoral Thesis 2012

Contexte
A palma forrageira é uma importante cactácea para as regiões áridas e semiáridas do Nordeste do Brasil, pois é utilizada principalmente como reserva de forragem em períodos de seca, representando um dos principais suportes forrageiros para os ruminantes. Foram realizados dois experimentos de 2009 a 2012, tendo como objetivo avaliar a frequência de irrigação e de níveis de salinidade na água sobre o crescimento e composição química da palma Miúda, bem como avaliar vinte clones de palma forrageira submetidos a estresse salino. No primeiro experimento utilizou-se palma Miúda sob quatro níveis de salinidade da água (0,3= testemunha ; 0,5=baixa ; 1,5=média e 3,6 dS/m = alta salinidade), associados a quatro freqüências de irrigação (7, 14, 21 e 28 dias) e duas texturas de solo (areia franca e franco arenoso) em delineamento de blocos ao acaso em arranjo fatorial, com quatro repetições. No segundo experimento foram utilizados 20 genótipos de palma forrageira, e aplicação de água com salinidade de 3,6 dS/m a intervalos de 14 dias. O delineamento experimental foi o de blocos ao acaso, com seis repetições, sendo o peso inicial dos cladódios o critério de blocagem. O solo areia franca proporcionou menor numero de cladódios e menor teor de fósforo. A água com de salinidade de 3,6 dS/m e frequência de irrigação de 7 dias proporcionaram condutividade elétrica dos solo maior (48,67 dS m-1) e plantas com maior percentual de danos e menor produtividade, indicando assim a baixa tolerância desta espécie ao estresse salino. O clone Liso Forrageiro foi colhido aos 419 dias após o plantio, indicando assim sua melhor tolerância a salinidade. As maiores produtividades foram alcançadas com os clones Orelha de Elefante Africana, IPA Clone 20 e Orelha de Elefante Mexicana com 50,8 ; 50,6 e 51,5 g/planta, respectivamente. Os menores comprimentos de raízes foram verificados nos clones Chile Frut e Copena-V1 com 2,97 e 3,00 cm, respectivamente, apresentando também, menor tolerância ao estresse salino. Os clones de palma forrageira apresentam variabilidade quanto a adaptação às condições de salinidade, e o desempenho produtivo da palma Miúda é influenciado pela salinidade do solo e quantidade de irrigação.

Mots clés  : Salinidade, Produtividade, Cactáceas — Salinity, Productivity, Cacti

Présentation (IBICT Oasis)

Version intégrale

Page publiée le 1er décembre 2015, mise à jour le 5 juillet 2017