Informations et ressources scientifiques
sur le développement des zones arides et semi-arides

Accueil du site → Master → Brésil → Caracteres morfológicos e produtivos da palma forrageira cv. miúda em diferentes sistemas de cultivo.

Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRP) 2015

Caracteres morfológicos e produtivos da palma forrageira cv. miúda em diferentes sistemas de cultivo.

Silva Oliveira Cristiane Gomes da

Titre : Caracteres morfológicos e produtivos da palma forrageira cv. miúda em diferentes sistemas de cultivo.

Auteur : Silva Oliveira Cristiane Gomes da

Université de soutenance : Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRP)

Grade : Mestre em Zootecnia 2015

Résumé
A palma forrageira é uma cultura bem adaptada às condições climáticas das regiões áridas e semiáridas do Nordeste brasileiro. Porém, a sua produção pode ser afetada por diversos fatores de manejo como, densidade de plantio, adubação e intensidade de corte, entre outros. Objetivou-se avaliar as características morfológicas e produtivas da palma forrageira cv. Miúda em diferentes sistemas de cultivo. Foram realizadas avaliações em dois experimentos conduzidos na Estação Experimental José Nilson de Melo, pertencente ao Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA), localizada na cidade de Caruaru-PE. No experimento 1, a palma Miúda foi cultivada sob diferentes densidades de plantio e intensidades de corte, em delineamento casualizado em blocos com arranjo experimental de parcelas subdivididas, com quatro repetições, no período de janeiro a setembro de 2014. A parcela principal foi formada pelas densidades de plantio (10.417 ; 20.833 ; 41.666 e 83.333 plantas ha-1) e as subparcelas, pelas intensidades de corte (preservação de cladódios primários ou secundários). No experimento 2, avaliaram-se níveis de adubação orgânica e mineral, em delineamento casualizado em blocos com arranjo experimental de parcela subdividida, em que na parcela principal foi avaliado níveis de adubação orgânica (0, 10, 20 e 30 t/ha/ano) e na subparcela, os níveis de adubação nitrogenada (0, 120, 240 e 360 kg N/ha/ano) com quatro repetições, no período de outubro de 2013 a outubro de 2014. Em ambos os experimentos, os caracteres avaliados foram altura e largura da planta, número de cladódios por planta e por ordem, dimensões dos cladódios (comprimento, largura, perímetro e espessura), produtividade (PMS) t MS/ha-1 ano-1 e o índice de área de cladódio (IAC). No experimento 1, maiores alturas (68,3 cm) e larguras (80,8 cm) de plantas foram obtidas na intensidade em que se preservaram os cladódios secundários. O aumento da densidade de plantio causou uma redução linear no número de cladódios por planta, nas duas intensidades de corte avaliadas. O aumento do período de avaliação proporcionou aumento nas características morfológicas da planta. Não foram observados efeitos (P<0,05) dos tratamentos para o número de cladódios primários. A maior densidade de plantio (83.333 plantas ha-1) proporcionou aumento no índice de área de cladódio e na produtividade. No experimento 2, não houve efeito da adubação nitrogenada para as variáveis estudadas. O n de cladódios/planta variou de 4,5 a 9,3 no tratamento com 0 e 30 t MO ha-1 ano-1, respectivamente. O período de avaliação também influenciou positivamente sobre o número de cladódios por planta. O aumento das doses de matéria orgânica elevou o n de cladódios primários de forma quadrática. Para o n de cladódios secundários foi observado efeito de interação entre a adubação orgânica e período de avaliação. As dimensões dos cladódios foram positivamente influenciadas pela interação entre adubação orgânica e período de avaliação. A adubação orgânica com 30 t MO ha-1 ano-1 elevou a altura e largura da planta para 50,3 cm e 40,2 cm, respectivamente. Foram obtidos IAC de 0,48 e 1,0 no tratamento com 0 e 30 t MO ha-1 ano-1, respectivamente. Para a PMS foi observado efeito quadrático, com acréscimo na produção até a dose de 20 t de MO ha-1 ano-1, com 3,8 t MS/ha-1ano-1.

Mots Clés : Cutting intensity Fertilizing Planting density Semiarid

Présentation

Version intégrale

Page publiée le 26 juillet 2017