Informations et ressources scientifiques
sur le développement des zones arides et semi-arides

Accueil du site → Doctorat → Brésil → Técnicas de recuperação florestal em áreas perturbadas na caatinga, Ceará

Universidade Federal Rural de Pernambuco (URFPE) 2017

Técnicas de recuperação florestal em áreas perturbadas na caatinga, Ceará

GONÇALVES, Maria da Penha Moreira

Titre : Técnicas de recuperação florestal em áreas perturbadas na caatinga, Ceará

Auteur : GONÇALVES, Maria da Penha Moreira

Université de soutenance : Universidade Federal Rural de Pernambuco (URFPE)

Grade : Doutorado em Ciências Florestais 2017

Résumé
O uso insustentável dos recursos naturais nas regiões semiáridas têm tornado as suas florestas, uma das mais ameaçadas entre as formações florestais tropicais secas do mundo. Assim, ações que visem à recuperação da Caatinga são de grande interesse na conservação dessas áreas, ainda pouco conhecidas. Nesse contexto, o presente trabalho teve como objetivo verificar as potencialidades de diferentes técnicas de recuperação e desenvolvimento de mudas, em diferentes tipos de solos, em áreas perturbadas na Caatinga. A pesquisa foi conduzida nas Fazendas Triunfo -Ibaretama e Não Me Deixes (NMD) - Quixadá, ambas no Ceará. Foram instalados três experimentos : nucleação com poleiros (artificiais e naturais), em que poleiros artificiais foram instalados nas duas Fazendas, sendo uma com entorno perturbado (Fazenda Triunfo) e a outra com entorno conservado (Fazenda NMD) e poleiros naturais de carnaúba (Copernicia prunifera) avaliados na Fazenda Triunfo ; plantio de mudas em três tipos de solo (Planossolo Háplico Eutrófico solódico vertissólico, Vertissolo Hidromórfico Sódico Salino, Neossolo Flúvico Ta Eutrófico Vertissólico) com seis espécies nativas (coronha-Vachellia farnesiana, ingá-bravo-Lonchocarpus sericeus, mutamba-Guazuma ulmifolia, sabonete-Sapindus saponaria, sabiá-Mimosa caesalpiniifolia e trapiá-Crataeva tapia), com e sem uso de hidrogel ; e o plantio de mudas sob efeito do uso da bagana de carnaúba em Vertissolo Salino com três espécies ( coronha - Vachelia farnesiana, sabiá - Mimosa caesalpiniifolia e marizeira - Geoffroea spinosa). Na pesquisa com poleiros, com entorno conservado, foi dispersa maior quantidade de sementes (10.306) e com maior diversidade de espécies (69), no entanto, pode-se observar diversidade superior de espécies arbóreas em regeneração sob a copa dos poleiros naturais de carnaúbas (11). Os poleiros exerceram a função nucleadora, incrementando a chuva de sementes zoocóricas e o recrutamento das espécies. No experimento com plantio de mudas em diferentes solos a sobrevivência foi de 87,5% no planossolo, 84,7% no neossolo e apenas 3,0% no vertissolo. O sabiá apresentou 100% de sobrevivência no planossolo e no neossolo, e atingiu as maiores alturas (198,9 cm), seguida pela coronha (182 cm) e mutamba (134,9 cm). As espécies testadas mostraram-se promissoras na recuperação de áreas em Caatinga. No experimento com plantio de mudas sob uso de bagana de carnaúba, os tratamentos com bagana dentro da cova e o controle foram os que apresentaram piores resultados, tendo 19,4% e 33,3% de sobrevivência, respectivamente. A coronha apresentou as melhores taxas de sobrevivência, mantendo no tratamento com bagana sobre a cova 95,3% das mudas vivas. A utilização da bagana de carnaúba favoreceu a sobrevivência e crescimento das espécies testadas quando aplicada sobre as covas das mudas, já quando utilizada dentro das covas mostrou-se, de forma geral, prejudicial à sobrevivência e desenvolvimento das mudas. Pode-se concluir que a técnica nucleadora com uso de poleiros artificiais apresenta-se promissora na recuperação de áreas em Caatinga e que as técnicas de recuperação com uso de plantio de mudas, apresenta potencial variável de acordo com o tipo de solo da área e as espécies utilizadas, podendo ainda ser favorecida ou prejudicada com o uso de condicionador de solo. A utilização de cobertura morta em plantio de espécies nativas em Vertissolo, mostrou-se promissora na recuperação de áreas em Caatinga.

Présentation

Version intégrale (4,58 Mb)

Page publiée le 14 février 2020