Informations et ressources scientifiques
sur le développement des zones arides et semi-arides

Accueil du site → Doctorat → Brésil → Feno de pornunça (Manihot spp.) na alimentação de ovinos em confinamento no semiárido

Universidade Federal Rural de Pernambuco (URFPE) 2014

Feno de pornunça (Manihot spp.) na alimentação de ovinos em confinamento no semiárido

COELHO, Maria Cláudia Soares Cruz

Titre : Feno de pornunça (Manihot spp.) na alimentação de ovinos em confinamento no semiárido

Auteur : COELHO, Maria Cláudia Soares Cruz

Université de soutenance : Universidade Federal Rural de Pernambuco (URFPE)

Grade : Doutorado Integrado em Zootecnia 2014

Résumé
Avaliou-se o desempenho, análise econômica das rações, característica de carcaça e qualidade da carne de ovinos mestiços de Santa Inês alimentados com níveis crescentes de feno de pornunça em substituição ao feno de tifton. Utilizou-se 36 cordeiros, não castrados, com peso corporal (PI) inicial médio de 18,60 kg ± 0,3 kg, distribuídos em um delineamento inteiramente casualizado, com quatro tratamentos e nove repetições. Os tratamentos consistiram em quatro níveis de substituição (0, 33, 67 e 100%) do feno de tifton-85 pelo feno de pornunça, utilizando-se relação volumoso : concentrado de 40:60. Os consumos de matéria seca (CMS), em todas as formas expressas, matéria orgânica (CMO), extrato etéreo (EE), carboidratos totais (CCHOT) e carboidratos não fibrosos (CCNF) apresentaram aumento linear positivo com a inclusão do feno de pornunça. O consumo de proteína bruta (CPB) não foi influenciado, apresentando média de 220,21 g/dia. O consumo de fibra em detergente neutro (CFDN) apresentou efeito linear decrescente, variando de 319,02 a 243,98 g/dia. A ingestão voluntária de água, ingestão total de água, em relação à %PC, em relação à MS consumida (g/kg de MS) e peso metabólico (g/kg de UTM), não foram influenciadas pela substituição do feno de tifton pelo feno de pornunça das dietas, com médias de 3192,29 g ; 3329,03 g ; 12,84 % ; 2923,92 g/kg CMS e ; 289,56 g/kg UTM, respectivamente. A ingestão de água da dieta apresentou efeito linear positivo. Os coeficientes de digestibilidade da MS, MO e CHOT não foram influenciados pelos tratamentos. Todavia, a digestibilidade da PB, EE e FDNcp reduziram com a inclusão de feno de pornunça e, a digestibilidade dos CNF aumentaram. Não houve efeito do aumento do feno de pornunça sobre a conversão alimentar (CA), peso corporal final (PF), ganho de peso total (GPT) e ganho de peso médio diário (GMD), que apresentaram valores médios de 4,38 ; 33,22 kg ; 14,66 kg e ; 261,71 g, respectivamente. Os níveis de substituição do feno de tifton pelo feno de pornunça promoveram valores semelhantes para o custo da dieta e ponto de nivelamento, no entanto, a receita total, margem bruta, custo por kg/carcaça e custo benefício aumentaram. A substituição do feno de tifton pelo feno de pornunça não influenciou o peso corporal final (PF), peso corporal ao abate (PA), perdas de pesos decorrentes do jejum (PJ) e perdas de pesos por resfriamento (PR), com médias de 33,22 kg ; 30,96 kg ; 7,76% e 2,08%, respectivamente. Houve influência sobre o peso da carcaça quente (PCQ), peso da carcaça fria (PCF), rendimento de carcaça quente (RCQ) e rendimento comercial (RC). Não houve influencia das dietas sobre comprimento de perna (CP), comprimento interno de carcaça (CIC) e índice de compacidade de perna (ICP), com exceção, do índice de compacidade de carcaça, que variou de 0,27 a 0,30 kg/cm. O peso do pescoço apresentou efeito linear crescente. A perna apresentou maior rendimento (33,72%), seguido pelas paletas (18,98%), costilhar (17,35%), lombo (9,94%), serrote (9,84%) e pescoço (9,72%). Comprimento máximo (medida A), profundidade máxima (medida B), espessuras mínima e máxima de gordura do músculo L. dorsi e área-de-olho de lombo (AOL) não foram influenciados pelas diferentes dietas. A composição centesimal de lombo de cordeiros não foi influenciada pela inclusão do feno de pornunça, apresentando valores de umidade, matéria mineral, proteína e gordura de 74,79 ; 1,39 ; 21,17 e 2,61%, respectivamente. Os parâmetros físico-químicos da carne de pH, cor, perdas por cocção e força de cisalhamento não foram influenciados pelo aumento dos níveis de pornunça nas dietas. Todavia, o feno de pornunça pode substituir o feno de tifton em até 40% na alimentação de cordeiros mestiços de Santa Inês, possibilitando a obtenção de desempenho satisfatório, melhorando o peso de carcaça quente e fria, bem como a atividade de água.

Présentation

Version intégrale (0,91 Mb)

Page publiée le 9 mars 2019