Informations et ressources scientifiques
sur le développement des zones arides et semi-arides

Accueil du site → Master → Brésil → 2008 → Usos tradicionais e manejo incipiente de Spondias tuberosa Arruda no Semi-Árido do Nordeste do Brasil

Universidade Federal Rural de Pernambuco (URFPE) 2008

Usos tradicionais e manejo incipiente de Spondias tuberosa Arruda no Semi-Árido do Nordeste do Brasil

LINS NETO, Ernani Machado de Freitas

Titre : Usos tradicionais e manejo incipiente de Spondias tuberosa Arruda no Semi-Árido do Nordeste do Brasil

Auteur : LINS NETO, Ernani Machado de Freitas

Université de soutenance : Universidade Federal Rural de Pernambuco (URFPE)

Grade : Mestrado em Botânica 2008

Résumé
As pessoas selecionam plantas alimentícias para o atendimento as suas necessidades econômicas, sociais e culturais, sendo tal ação humana responsável por gerar alterações genéticas e, presumivelmente, fenotípicas.Esses processo evolutivo é denominado domesticação. Diante disso o presente estudo tem por objetivo estudar a influência de práticas locais de coleta e manejo sobre as populações de Spondias tuberosa Arruda. em uma área de caatinga no estado de Pernambuco. A pesquisa foi norteada por dois questionamentos : Há diferenças fenotípicas entre populações de Spondias tuberosa Arruda (umbu) submetidas a diferentes regimes de manejo local da paisagem ? Caso essas diferenças existam, podem estar associadas a preferências locais dos coletores ? Diante de tais questionamentos foi realizado um estudo Etnobotânico na comunidade de Carão, sendo dividido em duas etapas. Na primeira, visitou-se todas as quintais da comunidade, entrevistando o homem e a mulher responsáveis pela casa. Na segunda etapa identificou-se, a partir das análises da primeira, as pessoas que mantêm uma relação mais direta com o recurso, sendo aprofundadas questões sobre a espécie.Realizou-se também um estudo da influência dos regimes de manejo da paisagem sob as populações de S. tuberosa em cinco unidades de paisagens identificadas na região [área de serra (vegetação em regeneração a 50anos), base da serra (vegetação em regeneração a 15 anos), áreas de pastagens nativas, áreas de cultivo e áreas residenciais (jardins e quintais)]. Em cada unidade selecionou-se aleatoriamente 10 indivíduos para análises morfométricas. Aplicou-se o índice de diversidade morfológica, baseado no índice de Simpson, nas populações estudadas nas diferentes unidades de paisagens aqui consideradas. A partir da integração desses métodos, foi posível verificar que conhecimento acerca de S. Tuberosa está bem distribuído na comunidade. Não houve diferenças significativas entre gêneros e faixas etárias definidas no presente estudo. A categoria alimento foi a de maior destaque para essa espécie, tanto para alimentação humana quanto animal. A principal forma de manejo é a tolerância e a coleta dos seus frutos. Também foram observadas divergências morfológicas entre os indivíduos encontrados nas diferentes unidades de paisagens, destaque para as áreas mais antropizadas, onde os indivíduos apresentaram características fenotípicas mais interessantes para o consumo humano. Por outro lado a diversidade morfológica encontrada não difere estatisticamente entre essas áreas, estando isso provavelmente associado a tolerância dos indivíduos. Em função dos resultados, existe fortes indícios de que S. tuberosa possa estar sob domesticação incipiente, entretanto ainda são necessários estudos mais aprofundados, como o de genética quantitativa e de populações, para elucidar essa sinalização.

Présentation

Version intégrale (0,59 Mb)

Page publiée le 11 mars 2019