Informations et ressources scientifiques
sur le développement des zones arides et semi-arides

Accueil du site → Master → Brésil → 2017 → Valor nutritivo do mandacaru sem espinhos, palma orelha de elefante mexicana e miúda na alimentação de ovinos

Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) 2017

Valor nutritivo do mandacaru sem espinhos, palma orelha de elefante mexicana e miúda na alimentação de ovinos

SILVA, Maria Vitória Serafim da.

Titre : Valor nutritivo do mandacaru sem espinhos, palma orelha de elefante mexicana e miúda na alimentação de ovinos

Nutritive value of mandacaru without spines, palm mexican elephant ear and palm yielded in sheep feed

Auteur : SILVA, Maria Vitória Serafim da.

Université de soutenance : Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Grade : Mestrado em Produção Animal 2017

Résumé
Objetivou-se determinar o valor nutricional das cactáceas : mandacaru sem espinho (Cereus hildmannianus K. Schum), palma Orelha de Elefante Mexicana (Opuntia stricta Haw.) e palma Miúda (Nopalea cochenillifera Salm Dyck) na alimentação de ovinos. Foram utilizados 15 ovinos mestiços (½Soinga x ½ Santa Inês), não castrados, com quatro meses de idade e peso corporal inicial médio de 17,27 kg ± 1,05 kg, alojados em gaiolas de metabolismo, distribuídos em um delineamento experimental inteiramente casualizado, com três tratamentos e cinco repetições. As dietas experimentais foram compostas por 430,9 g Kg -1 da matéria seca de mandacaru sem espinhos, 525,7 g Kg -1 de palma Orelha de Elefante Mexicana e 492,1 g Kg -1 de palma Miúda, 194,7 a 233,8 g Kg -1 de feno de sabiá, 279,5 a 313,3 g Kg -1 de concentrado e 18,4 a 22,0 g Kg -1 de sal mineral. O período experimental teve duração de 21 dias – 14 dias para adaptação às dietas e sete dias para coleta de dados. Não houve diferença (P>0,05) para os consumos de matéria seca, matéria orgânica, extrato etéreo, fibra em detergente neutro, carboidratos totais, carboidratos não fibrosos, nutrientes digestíveis totais e água voluntária entre as dietas experimentais. O consumo de proteína bruta foi influenciado (P<0,05) pelas dietas experimentais, havendo maior ingestão pelos animais que receberam o tratamento composto pelo mandacaru sem espinhos, com 145,10 g dia-1 . Os animais que consumiram palma Orelha de Elefante Mexicana apresentaram maior ingestão de água via dieta e total, com média de 4.478,61 g de água dia-1 e 4.625,94 g água dia-1 , respectivamente. Não foram verificadas diferenças (P>0,05) para os coeficientes de digestibilidade da matéria seca, matéria orgânica, fibra em detergente neutro, carboidratos totais, carboidratos não fibrosos e nutrientes digestíveis totais entre as dietas experimentais, com valores médios de 68,10% ; 69,78% ; 56,37% e 65,57%, 73,27%, 84,68% e 65,57% respectivamente. As variáveis comportamentais, tempo de ruminação, eficiência de alimentação e ruminação não foram influenciadas pelas dietas (P>0,05). O tempo gasto com alimentação foi maior (P<0,05) pelos animais alimentados com a dieta composta por palma Orelha de Elefante Mexicana. As cactáceas, mandacaru sem espinhos, palma Orelha de Elefante Mexicana e palma miúda apresentam valor nutritivo semelhante podendo ser utilizadas na alimentação de ovinos.

Mots Clés  : Cereus hildmannianus ; Forrageiras estratégicas ; Nutrição de ruminantes ; Nopalea cochenillifera ; Opuntia stricta ; Semiárido

Présentation -> http://repositorio.ufrn.br:8080/jsp...

Version intégrale (2,4 Mb)

Page publiée le 14 avril 2019