Informations et ressources scientifiques
sur le développement des zones arides et semi-arides

Accueil du site → Doctorat → Brésil → Modificações na paisagem do semiárido brasileiro : influência humana e ambiental

Universidade Federal de Pernambuco (2018)

Modificações na paisagem do semiárido brasileiro : influência humana e ambiental

ALMEIDA, Gabriela Macêdo Aretakis de

Titre : Modificações na paisagem do semiárido brasileiro : influência humana e ambiental

Auteur : ALMEIDA, Gabriela Macêdo Aretakis de

Université de soutenance : Universidade Federal de Pernambuco

Grade : Doutorado - Desenvolvimento e Meio Ambiente 2018

Résumé
A detecção de mudanças nas paisagens indica as causas e consequências das modificações em diferentes escalas de observação. Para conhecer os fatores que atuam na modificação das paisagens podem ser utilizadas técnicas de sensoriamento remoto, que irão auxiliar na identificação de fatores humanos e ambientais promotores destas mudanças. Além disso, podem ser observadas respostas da vegetação e dos vegetais com relação às adversidades promovidas por estes fatores nas condições do ambiente. Essas respostas podem ser observadas em parâmetros da arquitetura morfoanatômica e do espectro de reflectância foliar, que podem apresentar caracteres de resiliência frente às condições impostas pelo ambiente. No semiárido brasileiro, o ecossistema caatinga encontra-se amplamente fragmentado, sobretudo pela constante pressão humana, sendo um excelente cenário para realização de estudos que envolvam modificações em paisagens considerando influências humanas e ambientais. Diante disso, este trabalho teve por objetivo analisar modificações na paisagem de caatinga, semiárido brasileiro, considerando as respostas da vegetação às alterações humanas e ambientais. Visando responder a este objetivo, esta tese traz dois capítulos, cada um contendo um artigo. No primeiro capítulo o artigo buscou avaliar a dinâmica espaço temporal em uma paisagem de Caatinga no semiárido brasileiro, considerando as influências humanas e climáticas ; e no segundo capítulo buscou-se avaliar as respostas de espécies vegetais estabelecidas em área preservada e em regeneração, incluídas no bioma Caatinga no semiárido brasileiro. No primeiro artigo, a paisagem selecionada corresponde ao município Caruaru, Pernambuco. Nesta paisagem foi realizada classificação do uso e cobertura da terra em imagens de satélite dos anos 1990, 1995, 2007 e 2014, onde foram consideradas as classes : Área Urbana, Área Rural, Solo Exposto e Vegetação de Caatinga. Nestas imagens foram calculados os índices : EVI, SAVI, IAF e NDWI. Para estes mesmos anos foram obtidos valores de precipitação. A Área Urbana apresentou aumento em sua extensão de 1990 para 2014. A Área Rural mostrou uma diminuição entre os anos de 1990 e 1995, e em 2014. Solo exposto reduziu de 1995 para 2007 e aumentou em 2014. Na área Vegetação de Caatinga, os índices de vegetação e a precipitação apresentaram menores valores em 1990. Para o segundo artigo foram selecionadas duas áreas de caatinga, uma conservada e outra em regeneração, localizadas no semiárido brasileiro. Para este artigo foram selecionadas quatro espécies : Poincianella pyramidalis, Croton blanchetianus, Myracrodruon urundeuva e Schinopsis brasiliensis. Visando identificar as respostas destas espécies vegetais nas áreas conservada e degradada, foram coletadas amostras foliares de cinco indivíduos de cada espécie em cada área. Estas amostras foram processadas para obtenção de medidas morfoanatômicas, após confecção de lâminas histológicas, e de reflectância espectral, por meio da utilização do espectroradiômetro FieldSpec® 4 ASD. Com os dados obtidos foram realizadas análises estatísticas para comparação dos parâmetros entre a área preservada e em regeneração para cada espécie. Os diversos parâmetros foliares analisados mostram diferenças entre os indivíduos das espécies entre as áreas preservada e em regeneração.

Mots Clés  : Meio ambiente ; Sensoriamento remoto ; Urbanização ; Resiliência (Ecologia) ; Espectrorradiometria ; Arquitetura foliar ; Regeneração natural

Présentation

Page publiée le 25 janvier 2020