Informations et ressources scientifiques
sur le développement des zones arides et semi-arides

Accueil du site → Doctorat → Brésil → Populações de alfa e beta-rizóbios de feijão-caupi naturalmente estabelecidas em solos do semiárido tropical

Universidade Federal Rural de Pernambuco (URFPE) 2019

Populações de alfa e beta-rizóbios de feijão-caupi naturalmente estabelecidas em solos do semiárido tropical

SILVA, Aleksandro Ferreira da

Titre : Populações de alfa e beta-rizóbios de feijão-caupi naturalmente estabelecidas em solos do semiárido tropical

Auteur : SILVA, Aleksandro Ferreira da

Université de soutenance : Universidade Federal Rural de Pernambuco (URFPE)

Grade : Doutorado em Ciência do Solo 2019

Résumé
Recentemente, importantes contribuições para o avanço do conhecimento da ecologia e diversidade de micro-organismos em diferentes ecossistemas brasileiros tem levado ao enriquecimento da taxonomia de rizóbios, inclusive com a descrição de novas espécies de microssimbiontes. A grande diversidade de condições edafoclimáticas (tipos de solo, precipitação média anual, etc.) e de características da vegetação da caatinga, tornam esse bioma um campo vasto para estudos de ecologia de rizóbios e para buscas de novas estirpes elites para recomendação como inoculantes. Objetivou-se com este trabalho, avaliar as características das populações de alfa e beta-rizóbios naturalmente estabelecidas em solos do Semiárido de Pernambuco cobertos com vegetação nativa. Para a realização de uma amostragem representativa das diferentes condições edafoclimáticas, foram selecionados pontos em áreas com cobertura de caatinga densa (com pouca interferência antrópica) e nas principais classes de solos ocorrentes no bioma : Argissolo, Neossolo Litólico, Neossolo Quartzarênico, Neossolo Regolítico, Latossolo, Luvissolo e Planossolo. As comunidades rizobianas nativas das amostras de solo coletadas foram acessadas em experimento em casa de vegetação utilizando o feijão-caupi como planta-isca. Essa espécie foi escolhida por sua conhecida habilidade de estabelecer simbiose com comunidades de alfa e beta-rizóbios. Dos nódulos coletados no experimento de planta-isca foram obtidos 434 isolados, dos quais 338 foram positivos para a amplificação do gene nodC (nodC+). Em sua maioria são isolados de crescimento rápido, com metabolismo que acidifica o meio de cultura e produtores de muito muco. Os 338 isolados foram submetidos à Análise de Restrição do DNA Ribossomal Amplificado (ARDRA), para avaliar a variabilidade genética da coleção nodC+. A análise conjunta dos perfis de restrição do 16S rRNA, obtida a partir das endonucleases HaeIII, MspI e Hin6I, permitiu a formação de 209 grupos a 100 % de similaridade, evidenciando grande variabilidade genética entre os isolados. A partir do dendrograma do ARDRA, determinou-se um “threshold” de 75 % de similaridade e, a partir desse agrupamento, selecionou-se representantes dos grupos (um total de 60) para serem submetidos à amplificação e sequenciamento do gene 16S rRNA. Dos 60 isolados, selecionou-se, aleatoriamente, 30 para serem sequenciados os genes nodC, recA e gyrB. Levando em consideração o sequenciamento do 16S rRNA, Paraburkholderia (18) foi o gênero com maior número de isolados, seguido de Rhizobium (13) e Bradyrhizobium (10). Analisando a árvore com base nos 24 isolados com sequência de boa qualidade do gene recA, verificou-se que oito isolados fazem parte da classe das betaproteobactéria pertencentes ao gênero Paraburkholderia. Para os alfa-rizóbios, apenas 2 isolados agruparam com o gênero Rhizobium e 12 ficaram agrupados com Bradyrhizobium. A maioria dos isolados agrupados com o gênero Paraburkholderia na árvore do gene nodC apresentaram alta similaridade com as estirpes referência. Por apresentarem sequências de recA e gyrB divergentes, na árvore concatenada, os isolados C88-4 e C59-4 formaram um grupo com baixa similaridade com as estirpes de referência de beta-rizóbios. Em alfa-rizóbios o comportamento foi semelhante. Este padrão de agrupamento demonstra a elevada variabilidade genética dos isolados e aponta para a existencia de novos grupos taxonômicos dentre os isolados obtidos.

Présentation

Version intégrale (3,14 Mb)

Page publiée le 15 janvier 2020