Informations et ressources scientifiques
sur le développement des zones arides et semi-arides

Accueil du site → Doctorat → Brésil → Sistemas de cultivo da palma forrageira irrigada no semiárido potiguar

Universidade Federal Rural de Pernambuco (URFPE) 2019

Sistemas de cultivo da palma forrageira irrigada no semiárido potiguar

DANTAS, Fernanda Daniele Gonçalves

Titre : Sistemas de cultivo da palma forrageira irrigada no semiárido potiguar

Auteur : DANTAS, Fernanda Daniele Gonçalves

Université de soutenance : Universidade Federal Rural de Pernambuco (URFPE)

Grade : Doutorado Integrado em Zootecnia 2019

Résumé
A palma forrageira possui importância estratégica como suporte alimentar para a pecuária no Semiárido do Brasil, entretanto, algumas localidades não apresentam clima adequado para seu pleno desenvolvimento, sendo necessário complementação hídrica. Foram realizados dois experimentos no período de 2017 a 2019 em Apodi/RN. No primeiro experimento o objetivo foi avaliar os efeitos de níveis de salinidade da água de irrigação (0,1 ; 2,5 ; 5,0 ; 7,5 e 10 dS m-1) e da presença ou ausência de cobertura do solo com casca de arroz, sobre a morfofisiologia e produtividade da palma forrageira IPA Sertânia (Nopalea cochenillifera) por dois ciclos anuais. Os tratamentos foram casualizados em faixas (strip-plot), em esquema de parcelas subdivididas, num delineamento em blocos o acaso. Os níveis de salinidade foram aplicados nas parcelas, e a cobertura do solo nas subparcelas, distribuídas em faixas, com quatro repetições. A lâmina de irrigação média por gotejamento foi de 4,0 mm semana-1. A interação entre os níveis de salinidade e os anos foi significativa (P<0,05) para as características de produtividade de matéria verde (PMV) e seca (PMS), eficiência do uso da água (EUA) e espessura dos cladódios, com resposta negativa aos maiores níveis de sal apenas no primeiro ano e ausência de efeitos no segundo ano (117 e 7 Mg ha-1 ano-1 de PMV e PMS, respectivamente). A cobertura de solo promoveu maior PMV (96 Mg ha-1 ano-1), número de cladódios por planta (10 unidades), espessura (2,1 cm) e área dos cladódios (323 cm2) e menor teor de MS (78 g kg-1). Os anos de avaliação influenciaram significativamente, assim, o segundo ciclo anual de cultivo beneficiou a formação de plantas e cladódios maiores. A casca de arroz proporcionou aumento de brotação e da PMV, e a salinidade nos maiores níveis (7,5 e 10,0 dS m-1) contribuiu para menor PMS da palma IPA Sertânia no primeiro ciclo anual, mas sem diferença significativa entre os níveis de salinidade na colheita seguinte. No segundo ensaio experimental, objetivou-se verificar as respostas morfológicas e produtivas das cultivares da palma forrageira - Orelha de Elefante Mexicana (Opuntia stricta), Miúda (Nopalea cochenillifera Salm Dick) e IPA Sertânia (Nopalea cochenillifera) sob diferentes densidades de plantio (20, 40 e 80 mil plantas ha-1) e horários de irrigação (manhã e noite), em duas colheitas anuais. Os tratamentos foram casualizados em parcelas sub-sub-divididas, num delineamento inteiramente ao acaso. Os horários de irrigação representaram as parcelas, as cultivares de palma forrageira as sub parcelas, e as densidades de plantio as sub-sub parcelas, com quatro repetições. A lâmina de água aplicada foi de 15 mm semana-1 via aspersão. Quanto as características morfológicas, a Orelha de EM e a IPA Sertânia apresentaram maiores dimensões dos cladódios, enquanto a Miúda exibiu plantas mais altas. O maior adensamento favoreceu a elevação do índice de área de cladódio (6,0 m2/m2). Sobre as respostas produtivas, no primeiro ano de crescimento, ocorreu interação significativa (P<0,05) entre os horários de irrigação e as densidades de plantio para a produtividade de matéria verde (PMV), tendo o período diurno e o adensamento de 80 mil plantas ha-1 promovido maior rendimento (197 Mg ha-1 ano-1). Houve efeito significativo de interação das cultivares e densidades de plantio para número de cladódios, PMV, produtividade de matéria seca (PMS) e eficiência do uso da água (EUA), destacando-se a Miúda e Orelha EM. A Miúda emitiu 53 cladódios sob 20 mil plantas ha-1 e PMV, PMS e EUA de 212 Mg ha-1 ano-1 e 23 Mg ha-1 ano-1 e 19 kg de MS kg-1 de água, respectivamente, sob maior adensamento. A Orelha EM apresentou 217 e 22 Mg ha-1 ano-1 e 19 kg de MS kg-1 de água referente a PMV, PMS e EUA, nesta ordem, sob a menor densidade de plantio. No segundo ciclo anual de crescimento, o horário de irrigação apresentou efeito significativo (P<0,05), de forma que o período diurno possibilitou maior PMV (197 Mg ha-1 ano-1), PMS (17 Mg ha-1 ano-1) e EUA (12 kg de MS kg-1 de água). O efeito das cultivares foi significativo (P<0,05) para PMS e EUA, com evidência novamente para a Miúda. Portanto, as cultivares de palma forrageira foram influenciadas pelos horários de irrigação e pelas densidades de plantio, sobretudo a Miúda e OEM, ambas de alto potencial produtivo.

Présentation

Version intégrale (1,24 Mb)

Page publiée le 24 janvier 2020