Informations et ressources scientifiques
sur le développement des zones arides et semi-arides

Accueil du site → Master → Brésil → 2019 → Fósforo e metais pesados em solos sob cultivo de videiras e sua relação com os atributos microbiológicos do solo

Universidade Federal Rural de Pernambuco (URFPE) 2019

Fósforo e metais pesados em solos sob cultivo de videiras e sua relação com os atributos microbiológicos do solo

FREITAS, Eliabe de Morais

Titre : Fósforo e metais pesados em solos sob cultivo de videiras e sua relação com os atributos microbiológicos do solo

Phosphorus and heavy metals in soils under vines cultivation and its relation with soil microbiological attributes

Auteur : FREITAS, Eliabe de Morais

Université de soutenance : Universidade Federal Rural de Pernambuco (URFPE)

Grade : Mestrado em Ciência do Solo 2019

Résumé
A região Nordeste do Brasil responde por 27% da produção nacional de frutas, destacando-se entre outros no cultivo da videira (Vitis spp.), cujo o manejo da produção baseia-se no uso intensivo de fertilizantes e defensivos agrícolas, o que pode ocasionar não apenas perdas de produção devido a desequilíbrios nutricionais, mas também problemas ambientais, como contaminação do solo por metais pesados e lixiviação de fósforo para corpos hídricos. Deste modo, o objetivo do presente trabalho foi avaliar os impactos do uso intensivo de fertilizantes fosfatados e suas relações com os atributos microbiológicos do solo sob cultivo de videiras no Vale do São Francisco. As áreas de estudo ficam localizadas em seis fazendas de produção de uva no perímetro irrigado Senador Nilo Coelho, Petrolina, PE. Em cada área foram escolhidos aleatoriamente três pontos de coleta, onde em cada ponto retirou-se solo rizosférico (SR), e solo não rizosférico (SNR), os quais foram caracterizados física e quimicamente. Foram obtidos os teores ambientalmente disponíveis de metais pesados, visando a comparação destes com os Valores de Referência de Qualidade (VRQ) estabelecidos para Pernambuco. A dinâmica, disponibilidade e as diferentes formas de P no solo foram avaliadas através do método sequencial de fracionamento e os atributos microbiológicos : P da biomassa microbiana, atividade da fosfatase ácida e alcalina, assim como o teor de glomalina facilmente extraível do solo, foram determinados conforme metodologias específicas. O manejo adotado pelas fazendas de cultivo de videiras proporcionou alteração na fertilidade do solo com relação as áreas de pousio, apresentando aumento significativo nos teores de matéria orgânica, Ca, Mg e K do solo, além de elevar os teores de P a valores superiores ao nível crítico no solo. Os teores de metais pesados foram semelhantes entre as áreas cultivadas e suas respectivas áreas de pousio, indicando que esses valores obtidos são provenientes do intemperismo do material de origem e da interação desses elementos e o solo. Entretanto, os teores de Cu e Zn apresentaram valores superiores aos VRQ, sendo esse comportamento atribuído a interferência antrópica. A aplicação excessiva de fertilizantes fosfatados contribuiu para um maior aporte de P nos solos sob cultivo de videiras, sendo observado que, de modo geral, as frações inorgânicas superaram as frações orgânicas de P, sendo os maiores teores de P no solo encontrados principalmente na fração não lábil, e na fração lábil. Observou-se que a disponibilidade de P, onde a concentração de Ca e o pH são elevados, influenciou negativamente os teores de P microbiano nas áreas estudadas. A atividade das fosfatases ácida e alcalina proporcionou resposta rápida a adição de fertilizantes fosfatados no ambiente, apresentando grande potencial de uso na avaliação da qualidade do solo. Além disso, a alta concentração de fósforo nas áreas estudadas influenciou significativamente os teores de glomalina no solo. Esses novos índices podem ser utilizados para estabelecer uma ferramenta para avaliação da qualidade do solo, contribuindo em uma melhor avaliação acerca dos impactos da adubação de P sobre os atributos microbiológicos do solo da região semiárida do Brasil.

Présentation

Version intégrale (1,64 Mb)

Page publiée le 27 février 2020