Informations et ressources scientifiques
sur le développement des zones arides et semi-arides

Accueil du site → Doctorat → Brésil → Degradação das terras secas nos sertões de Santa Quitéria e Independência – Ceará : contribuições ao monitoramento ambiental

Universidade Federal do Ceará (2018)

Degradação das terras secas nos sertões de Santa Quitéria e Independência – Ceará : contribuições ao monitoramento ambiental

Silva, Érika Gomes Brito da

Titre : Degradação das terras secas nos sertões de Santa Quitéria e Independência – Ceará : contribuições ao monitoramento ambiental

Degradation of drylands in Santa Quitéria and Independence hinterlands – Ceará : contributions to environmental monitoring

Auteur : Silva, Érika Gomes Brito da

Université de soutenance : Universidade Federal do Ceará

Grade : Doutorado em Geografia 2018

Résumé
A desertificação tem avançado sobre porções do semiárido do Ceará, assumindo intensidade variável, que ameaça a sustentabilidade dos sistemas ambientais. Diante deste cenário, há uma necessidade de avaliação e monitoramento ambiental da desertificação. Como avaliar e monitorar as áreas já atingidas, ou propensas a desertificação no Ceará ? Dentre as propostas metodológicas, o uso de indicadores tem sido adotado para a identificação de áreas vulneráveis, com o apoio de ferramentas do geoprocessamento. As áreas escolhidas para estudo foram dois municípios situados nos sertões semiáridos : Santa Quitéria, com extensão aproximada de 4.261 km2, no sertão Centro-Norte ; e Independência, localizado no sertão de Crateús, com área de 3.219 km2. O objetivo deste estudo foi avaliar a desertificação e a degradação das terras secas dos sertões de Santa Quitéria e Independência por meio de indicadores biofísicos e socioeconômicos, com o suporte de geotecnologias em contribuição ao monitoramento ambiental. A pesquisa foi estruturada em três etapas principais : levantamento e coleta de dados e informações cartográficas e tabulares ; trabalhos de campo ; e tratamento e análise das informações em Sistema de Informação Geográfica (SIG). Para a construção de um banco de dados geográficos das áreas de estudo foram utilizados dados cartográficos de instituições como Secretaria de Recursos Hídricos (SRH), Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Departamento Estadual de Rodovias (DER-CE) ; malha fundiária municipal, do Instituto de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) e Instituto de Desenvolvimento Agrário do Ceará (IDACE) ; informações altimétricas como curvas de nível, sombreamento do relevo e criação de Modelo Digital de Elevação (MDE), em imagens de radar Shuttle Radar Topography Mission (SRTM), com resolução de 90m. As feições geomorfológicas e o padrão fisionômico da cobertura vegetal, e classes de uso da terra foram obtidos a partir da interpretação visual e digital em imagens do satélite CBERS4, na escala de 1:100.000. A análise espacial foi executada em software ArcGIS 10.4., que permitiu o armazenamento e manipulação de dados para geração dos mapas temáticos, em escala de 1:200.000. A partir uma abordagem sistêmica, a caracterização integrada dos componentes abióticos, bióticos e antrópicos possibilitou a identificação de 16 sistemas e subsistemas ambientais nos municípios de estudo. Em fase posterior, os sistemas ambientais foram avaliados por meio da aplicação de dois grupos de indicadores de desertificação : geobiofísicos e socioeconômicos. Os indicadores geobiofísicos foram : permoporosidade ; declividade ; erosão hídrica ; espessura ; cobertura e estrato da vegetação ; aridez e vulnerabilidade às secas. O grupo de indicadores socioeconômicos analisou : captação de água ; extrativismo vegetal ; produção agrícola temporária ; pecuária e estrutura fundiária. Cada indicador foi composto por cinco classes, escalonados em valores de um a cinco. O maior valor atribuído correspondeu a melhores condições de conservação dos recursos naturais. A composição dos índices geobiofísicos de desertificação (IGBD) foi resultante da média aritmética obtida da soma de valores atribuídos a cada indicador, dividida pela quantidade total de indicadores. A análise dos indicadores socioeconômicos (ISED) evidenciou as causas diretas de pressão sobre os recursos naturais dos processos de desertificação nos sertões de Santa Quitéria e Independência. Como resultado da avaliação, os sistemas ambientais foram classificados em três níveis de suscetibilidade : baixa, moderada e alta, representados nos Mapas de Susceptibilidade à Desertificação. Concluiu-se que a suscetibilidade ambiental dos sistemas ambientais de Santa Quitéria e Independência à desertificação atingiu dois níveis de intensidade : moderado e moderado a alto.

Mots Clés  : Desertificação, Indicadores, Terras Semiáridas, Sensoriamento Remoto, SIG.

Présentation

Version intégrale (29,15 Mb)

Page publiée le 20 janvier 2020