Informations et ressources scientifiques
sur le développement des zones arides et semi-arides

Accueil du site → Doctorat → Brésil → Plantas medicinais da caatinga do Nordeste brasileiro : etnofarmacopeia do Professor Francisco José De Abreu Matos

Universidade Federal do Ceará (2019)

Plantas medicinais da caatinga do Nordeste brasileiro : etnofarmacopeia do Professor Francisco José De Abreu Matos

Magalhães, Karla do Nascimento

Titre : Plantas medicinais da caatinga do Nordeste brasileiro : etnofarmacopeia do Professor Francisco José De Abreu Matos

Auteur : Magalhães, Karla do Nascimento

Université de soutenance : Universidade Federal do Ceará

Grade : Doutorado em Desenvolvimento e Inovação Tecnológica em Medicamentos 2019

Résumé
O Brasil não é apenas rico em biodiversidade, mas também em pluralidade cultural. Na Caatinga (semiárido), um bioma exclusivamente brasileiro, o uso de plantas medicinais como prática terapêutica é comum entre seus habitantes. Es t e b ioma é também o ecossistema menos conhecido, protegido e pesquisado do país. O objetivo geral deste trabalho foi c onstruir a Etnofarmacopeia do Professor Francisco José de Abreu Matos a partir dos relatórios de suas expedições etnobotânicas pela Caatinga d o Nordeste brasileiro no período de 1980 1990. Como parte dos objetivos específicos foram aplicadas técnicas etnobotânicas quantititativas : Importância Relativa (IR), Fator de Consenso do Informante (FCI), Análise de Cluster de Componentes Botânicos (ACB) e Testes Estatísticos para avaliar a associação entre categorias de uso segundo a Classificação Internacional da Atenção Básica (CIAP 2/2009) e clados filogenéticos das angiospermas de acordo com Angiosperm Phylogeny Group (APG IV/2016 ). Para confirmação d as espécies e revisão da nomenclatura botânica foram realizadas consultas aos bancos de dados on line www.splink.org, florabrasiljbrj.go v .br, www.tropicos.org , www.gbif.org e www.theplantlist.org além de visitas ao Herbário Prisco Bezerra/UFC. Foi possível a confirmação botânica de 272 espécies e resgate de 1391 numerações de exsicatas . 84 espécies (30,9%) tiveram sua nomenclatura botânica m odificada. As 272 plantas estavam representadas por 71 famílias , 220 gêneros e foram citad a s 1.957 vezes nos relatórios de viagens . 153 (56,3%) destas espécies de plantas são nativas do Brasil. Um elevado número destas plantas era cultivad a (58 espécies). Destas 153 espécies nativas, 36 (23,4%) são endêmicas do bioma Caatinga. As indicações terapêuticas atribuídas a essas plantas foram categorizadas em 16 sistemas corporais d e acordo com CIAP 2/2009 , que em ordem decrescente de relatos de uso s (R U ) foram : a parelho respiratório (93 espécies, 407 R U , FCI0,77), aparelho digestivo (119 espécies, 373 RU , FCI 0,68), sinais/ sintomas gerais e inespecíficos (95 espécies, 219 R U , FCI 0,58), aparelho genita l feminino (60 espécies, 184 R U , FCI 0,68), pele (71 156 R U , FCI 0,55), aparelho circulatório (50 espécies , 99 R U , FCI 0,50), s angue , órgãos hematopoiéticos e linfáticos (46 espécies, 96 R U , FCI 0,53), aparelho urinário (44 espécies, 88 R U , FCI 0,51), Sistema músculo e squelétic o (33 espécies, 80 R U , FCI 0,6 0), p sicológic o (21 espécies, 71 R U , FCI 0,60), enquanto outros representam menos de 10,0% d os R U . O nível de subutilização e superutilização de certos clados e espécies é destacado pela análise de cluster. Tendo como parâmetros os valores de IR , FCI e número de citações propomos uma seleção de espécies vegetais com potencial de bioprospecção farmacêutica : Scoparia dulcis, Egletes viscosa, Libidibia ferrea, Hymenaea courbaril, Ageratum conyzoides, Operculina macrocarpa, Ambrosia artemisiifolia, Cupheacart hagenensis, Combretum leprosum, Anacardium occidentale, Myracrodruon urundeu va, Cayaponia tayuya, Solanum paludosum, Anadenanthera colubrina, Amburana cearensis, Pombalia calceolaria , Tarenaya spinosa , Himatanthus drasticus, Senna alata , Lippiaalba, Phyl lanthus niruri, Aristolochia labiata, Erythroxylum vacciniifolium, Sambucus racemosa, Dysphania ambrosioides , Allium sativum, Pimpinela anisum, Blainvillea acmella, Ambrosia artemisiifolia, Handroanthus impetiginosus, Combretum leprosum e Luffa operculata A população do bioma Caatinga do Nordeste do Brasil utiliza as plantas medicinais no autocuidado, particularmente no tratamento de doenças respiratórias , sinais e sintomas gerais/ inespecíficos , doenças digestivas e do genital feminino . A Etnofarmacopeia d o Prof FJA Matos tem valores cultural, científico e ecológico incalculáveis, revelando plantas medicinais etnoculturais importantes que merecem atenção especial, sendo uma importante ferramenta de bioprospecção e de fortalecimento da fitoterapia com espéci es vegetais da Caatinga.

Présentation

Version intégrale (5,7 Mb)

Page publiée le 21 janvier 2020